Beato Allamano: Pai amado

(Last Updated On: 09/01/2024)

No início do Triénio sobre o Beato Allamano (2024-2026), oferecemos esta primeira reflexão do padre Francesco Pavese, em consonância com o que as nossas duas Direções Gerais (dos Missionários e das Missionárias da Consolata) nos propuseram para a escolha do protetor para os anos 2024-25-26. A paternidade de Allamano é-nos particularmente cara, como o foi aos nossos primeiros missionários e missionárias. Do Céu, que ele continue a guiar-nos e a proteger-nos

 

Missionários e Missionárias de Castelnuovo Dom Bosco (terra natal de Allamano)

 

“PAI AMADO”: SIGNIFICADO DA PATERNIDADE DO FUNDADOR

–  Pela Postulação Geral –

 

A paternidade de Allamano
Para a festa do Fundador deste ano, proponho algumas reflexões sobre a sua “paternidade”. São ideias simples que nos fazem sempre bem, mas que podemos também propor este ano às pessoas que nos conhecem e que celebram connosco o nosso “pai”.

Inspiro-me numa mensagem que Camisassa escreveu às religiosas de férias de Santo Inácio, na véspera do dia do seu onomástico, para pedir desculpa por não poder estar presente, pois teve de parar em Turim “devido à ausência do senhor Reitor (a palavra escapou-me: leia-se ‘Pai amado’)”. Para os missionários, Allamano não é o “Reitor”, mas “Pai amado”. Esta é a convicção de Camisassa, que coincide com a dos filhos e filhas de Allamano.

 

Não é significativo que Camisassa chame a Allamano, na maior parte das vezes, pelo nome de “Pai”, sem o artigo? Camisassa, ainda que com alguma hesitação, pensava estar a participar de alguma forma na paternidade do Fundador. Eis como se exprime, escrevendo da quinta de Nyeri, a 18 de julho de 1911, a um grupo de jovens irmãs, depois da sua receção: “Minhas boas filhas, permitam-me que vos chame também por esta doce palavra, dita a seis de vós com tanta bondade e ternura, como me escreveis, pelo nosso venerável pai no belo dia da sua receção. É claro que não tenho o direito de vos chamar minhas filhas, mas gostaria de ser algo como o vosso pai putativo […]”. É certo que Camisassa entrou plenamente no ambiente familiar desejado pelo fundador, não de forma autónoma, mas seguindo-o.

 

Consciência da própria paternidade espiritual
O Fundador, precisamente porque estava convencido da origem sobrenatural do Instituto, assumiu toda a responsabilidade, não só de o fundar, mas também de o acompanhar no seu crescimento. Nesta resposta coerente à sua própria vocação está a consciência de ser “pai” de duas famílias missionárias. Expressou-o com simplicidade e convicção em várias ocasiões. Basta reler o que escreveu ao grupo de missionários do Quénia em 1904, informando-os das celebrações do centenário do Santuário, para lhes assegurar que se tinha lembrado deles: “Deixei um pouco de lado as minhas outras atribuições para não me lembrar que era o pai desta nova Família” (1).

 

Um pai que educa
Em virtude desta paternidade espiritual, o fundador estava convencido de que devia formar missionários de acordo com o projeto que o Espírito Santo lhe tinha sugerido. Esta é a razão das suas numerosas insistências sobre o “espírito”. Devido a circunstâncias contingentes, teve de defender a genuinidade do seu espírito desde os primeiros anos da fundação. É clássica a sua intervenção de 2 de março de 1902: “A forma que deveis tomar no Instituto é aquela que o Senhor me inspirou e inspira, e eu, aterrorizado pela minha responsabilidade, quero absolutamente que o Instituto se aperfeiçoe e viva uma vida perfeita”(2). É também clássica uma outra intervenção na conferência de 18 de outubro de 1908, quando, falando da responsabilidade dos superiores em formar os missionários, conclui: “deveis tomar o espírito de mim”(3). Não se contam as intervenções a este respeito, mesmo às irmãs. As palavras escritas a 7 de setembro de 1921 à superiora do Quénia, Ir. Maria degli Angeli, são muito explícitas: “Desejo, e como é meu dever, exijo que vivas no espírito que te infundi”(4). Mais do que isso!

 

Um pai que ama com ternura
Como pai, Allamano mostrava um afeto terno pelos seus filhos e filhas. Viveu para eles, como confidenciou ao padre Filippo Perlo, nos primeiros anos da sua missão no Quénia: “Muitas e muitas coisas a todos os meus queridos missionários, para os quais só eu vivo agora nesta terra. A minha bênção paterna de manhã e à noite sobre todos […]” (6). Pronunciou também palavras tão intensas que ainda hoje nos impressionam: “O Senhor poderia ter escolhido outro para fundar este Instituto, um mais capaz, com mais dons, com mais saúde, mas um que vos amasse mais do que eu… não acredito”.

 

Um pai que propõe o máximo
Precisamente porque queria um mundo de bem para os seus filhos e filhas, Allamano não se contentou em propor-lhes o empenhamento missionário, já de si árduo, mas propôs que esse compromisso fosse vivido na “santidade de vida”, pedindo a todos que fossem de “primeira qualidade”. E a razão do seu contínuo pedido de santidade era sobretudo de carácter apostólico: “Alguns pensam que ser missionário consiste apenas em pregar, em correr […]; não, não! Este é apenas o objetivo secundário: santifiquemo-nos primeiro a nós próprios e depois aos outros. Quanto mais santo alguém for, mais almas salvará” (7).; “É preciso primeiro sermos bons e santos nós mesmos, e depois faremos com que os outros sejam bons; caso contrário, não seremos bons nem para os outros nem para nós” (8).

 

Um pai que corrige
Também não recuava quando era necessário apelar, diretamente ou por intermédio dos seus colaboradores, a um compromisso mais elevado, como fazia habitualmente. Eis, por exemplo, as palavras que escreveu às Irmãs, um ano depois da sua chegada ao Quénia:
“Enquanto pai, sei compadecer-me da fragilidade humana, mas não posso nem pretendo que continuemos com este espírito. […] Perdoai-me esta explosão paternal, que julguei necessária para pôr todos no bom caminho […]”. Também neste aspeto Camisassa soube colaborar com o Fundador, como se pode ver numa carta à Ir. Margarida de Maria: “Persuade-te que a vontade do Pai é a vontade de Deus […]. Lamento ter de escrever um pouco forte, mas foi o próprio Pai que quis assim” (10).

 

Um pai que comunica
Um aspeto muito interessante da paternidade do Fundador é este: como educador, para além de oferecer conceitos e princípios, sabia comunicar a si mesmo, isto é, a sua própria experiência interior. Quase sem se dar conta, indicava como ele próprio estava a progredir no caminho da santidade. Esta era a sua grande força como educador. Por isso, um dos jovens da época escreveu, referindo-se aos seus discursos dominicais: “Antes das suas palavras, esperávamos por ele”. Com uma simplicidade paternal, explicava o seu método aos seus alunos que acabavam de regressar dos exercícios espirituais: “Pois bem, o que é que eu vos trouxe? Trouxe-vos um espírito, um depósito de espírito, e sabem o que é? Um bom pensamento que me impressionou mais e que vos trago. […] E assim, nos seus sermões, nas suas meditações, nos seus exames, com tudo em suma, ele pensava que, ao fazer-me o bem, estava também a pensar em ti. Por ti e por mim. Porque eu quero ser não só um canal, mas também uma concha…. […] Portanto, os bons pensamentos, primeiro para mim, e depois penso também em ti. Os bons pensamentos que funcionaram para mim, que funcionem também para ti”(11).

 

Um pai que mantém a família unida
Finalmente, a paternidade do Fundador fez crescer o espírito de família no Instituto. Quem não se lembra das suas numerosas recomendações a este respeito? O espírito de família devia ser vivido primeiro com ele, que era o pai, e depois entre nós, que nos tornámos irmãos e irmãs pela mesma vocação e paternidade de Allamano. A consequência em termos de ação apostólica foi que os seus filhos e filhas deviam ser capazes de trabalhar “juntos” e não cada um por si. O ideal da unidade do Instituto era para Allamano um ponto fixo, intocável, quase um sonho. Vejamos as palavras que proferiu por ocasião da partida dos missionários: “Vês a consolação que se sente ao participar nesta família […]. E mesmo que se tenha de ir para outro lugar… o lugar é uma materialidade, não é nada estar num lugar e não estar noutro…. Somos todos missionários, estamos todos juntos, estamos todos a fazer alguma coisa, como se estivéssemos todos aqui, todos no Quénia, todos em Kaffa, todos em Iringa”(12) . Para ele, um Instituto de missionários deve ser e atuar “todos em todo o lado”!
E a razão desta unidade encontra-se na nossa identidade missionária. Allamano imaginava o seu Instituto como um “corpo” apostólico compacto. Pediu-o muitas vezes aos seus confrades desde os primeiros anos. Basta reler o que escreveu aos missionários do Quénia na circular de 2 de outubro de 1910: “Outra caraterística do trabalho missionário é a harmonia. A unidade de espírito e de coração, ao mesmo tempo que alivia a fadiga, dá força e alcança a vitória”(13). Já o tinha reconhecido cinco anos antes, regozijando-se com o facto de a Santa Sé ter reconhecido a boa organização e a unidade de ação das nossas missões: “A unidade de ação é, pois, sobretudo o vosso mérito, porque soubestes conformar-vos plenamente com as indicações recebidas”(14).

 

Um pai eterno
A paternidade do Fundador é eterna. A inspiração recebida e transmitida não foi interrompida pela sua morte, porque o Espírito é eterno. Allamano tinha consciência de que conservava a sua paternidade mesmo do céu. Disse-o em várias ocasiões, num sentido de encorajamento e de ajuda, mas também como uma chamada de atenção. Basta ouvir de novo estas palavras, pronunciadas em diferentes momentos e circunstâncias: “Quando eu estiver lá em cima, abençoar-vos-ei ainda mais: estarei sempre lá na varanda”(15); “Sede bons mesmo depois da minha morte, porque se assim não for, pedirei ao Senhor e virei de lá do balcão do Paraíso para vos dar umas boas palmadas”(16). “Quando fizermos cinquenta anos, velarei por ti do Paraíso; será um cinquentenário cheio de méritos”(17); “Do Paraíso velarei por ti e, se não te portares bem, enviar-te-ei muitas reprimendas até que caias em ti”(18); “Do Paraíso enviar-te-ei raios se vir que te falta a caridade “(19); “Pelo bem que me fazes, deves alegrar-te por eu ir descansar no Paraíso. Lá farei mais do que aqui…. Farei, farei”(20).


A nossa resposta ao pai

Em palavras simples e esquemáticas, pode ser esta: conhecê-lo cada vez mais e dá-lo a conhecer aos outros; encontrá-lo na vida e propor a sua espiritualidade aos que nos são próximos; senti-lo vivo e presente, rezar-lhe e sugerir a eficácia da sua intercessão aos que trabalham connosco ou aos que servimos no ministério. Allamano não nos deixa indiferentes: envolve-nos e pode envolver muitas outras pessoas. A experiência diz-nos que mesmo os leigos, quando sabem aproximar-se corretamente de Allamano, sabem apreciá-lo e, em certo sentido, sentem-no também como um “pai”. A paternidade do Fundador não se limita aos limites do Instituto.

 

NOTAS:
1 Lett., IV, 276.
2 Conf. IMC, I, 15; note-se que estas palavras são do seu manuscrito. Cf. também 136-137
3 Conf. IMC, I, 273.
4 Processus Informativus, IV, 220; Lett., IX/1, 140.
5 Processus Informativus, IV, 494.
6 Lett., IV, 23-24.
7 Conf. IMC, I, 249-250. Recordemos como alterou o texto do Diretório de 1910, da sua própria mão: “Os alunos […] procurem sempre […] fazer-se santos e idóneos para salvar muitas almas” para “[…] assim fazer-se idóneos”, sublinhando a ligação entre santidade e apostolado.
8 Conf. IMC, I, 279.
9 Lett., VI. 683.
10 Arq. IMC, II.
11 Conf. IMC, II, 634.
12 Conf. IMC, III, 499.
13 Carta, V, 410.
14 Carta, IV, 456.
15 Conf. IMC MC, II, 482.
16 Processus Informativus, II, 526,
17 Conf. MC, II, 282.
18 Processus Informativus, II, 544.
19 Processus Informativus, II, 874.
20 In TUBALDO I, o.c., 675.