Família Consolata em festa: José Allamano vai ser proclamado santo

(Last Updated On: )

Chegou o dia tão esperado, que os nossos corações tanto aguardavam: Papa Francisco aprova decreto que reconhece milagre e o Pai Fundador – o Beato José Allamano – será canonizado, em data ainda a anunciar. As direções gerais dos Missionários e das Missionária das Consolata já se pronunciaram

 

O Papa Francisco aprovou hoje, 23 de maio 2024, a publicação do decreto que reconhece um milagre atribuído à intercessão do Beato José Allamano (1951-1926), abrindo assim caminho à canonização do fundador do Instituto Missionários da Consolata (IMC) e das Missionárias da Consolata (MC)

 

Imbuídos de grande júbilo, o superior geral do IMC e a madre geral das MC reagiram de forma conjunta a esta grande notícia. Transcrevemos aqui a carta por eles dirigida aos missionários, missionárias, leigos, leigas e amigos da Consolata.

“Caríssimos Missionários

Caríssimas Missionárias

Caríssimos Leigos, Leigas e amigos da Consolata,

chegou o dia tão esperado, que os nossos corações aguardavam: o PAI FUNDADOR SERÁ CANONIZADO PELO PAPA FRANCISCO!

 

O procedimento para o processo de reconhecimento do milagre a favor de Sorino Yanomami já está concluído: falta apenas a comunicação da data deste acontecimento tão luminoso para a nossa Família Consolata!

 

Hoje, o Boletim da Santa Sé anuncia:

«Promulgação de Decretos do Dicastério para as Causas dos Santos. Durante a Audiência concedida a Sua Eminência Reverendíssima, o Card. Cardeal Marcello Semeraro, Prefeito do Dicastério para as Causas dos Santos, o Sumo Pontífice autorizou o mesmo Dicastério a promulgar os Decretos sobre: – o milagre atribuído à intercessão do Beato José Allamano, sacerdote e fundador do Instituto das Missões da Consolata; nascido em Castelnuovo Dom Bosco (Itália) a 21 de janeiro de 1851 e falecido em Turim (Itália) a 16 de fevereiro de 1926».

 

O Beato José Allamano, nosso Pai Fundador, aquele que nos deu o espírito da Consolata, foi sempre uma luz para nós. No final da sua vida, escreveu com confiança: “Consola-me o facto de ter procurado sempre fazer a vontade de Deus” (Carta aos Missionários, 1 de outubro de 1923): eis o seu caminho de santidade!

 

E a nós, seus filhos e filhas, recorda que o primeiro fim dos nossos Institutos é a santificação dos seus membros, uma santidade que ilumina também o caminho da vida laical. O Padre Fundador sempre insistiu: “primeiro santos, depois missionários”.

 

Agora, também a Igreja o reconhece proclamando-o santo, esta luz difunde-se por toda a parte e torna-se cada vez mais um farol para nós nos caminhos da missão.

 

Agradecemos ao Senhor por este tão grande dom para nós e para a Igreja! Que este tempo abençoado seja uma oportunidade para o sentirmos cada vez mais PAI e gozarmos da sua presença viva entre nós.

 

– Ir. Lucia Bortolomsi, superiora geral das missionárias da Consolata

– P. James Lengarin, superior geral dos Missionários da Consolata”

 

Agradeçamos a Deus por este grande dom que Deus faz a toda a Família Consolata e à Igreja.

 

Começa agora o caminho rumo à canonização de José Allamano, que em breve teremos a alegria de vivere celebrar juntos!

Bem-aventurado José Allamano, rogai por nós!

 

PERFIL

José Allamano nasceu no dia 21 de janeiro de 1851, em Castelnuovo d’Asti (hoje, Castelnuovo Don Bosco), na Itália. Educado solidamente nas virtudes humanas e cristãs pela mãe, irmã de São José Cafasso, e pelo próprio Dom Bosco, de quem foi aluno por quatro anos, respondeu à vocação sacerdotal com firmeza e decisão.

 

Recebida a Ordenação presbiteral, a 20 de setembro de 1873, foi, por sete anos, formador e diretor espiritual no seminário maior da diocese de Turim. Em 1880 foi nomeado Reitor do Santuário da Consolata, ofício que desempenhou por 46 anos, até ao dia da sua morte. Ali desenvolveu o ministério sacerdotal em todas as dimensões. Restaurou completamente e ampliou o santuário, que se encontrava em péssimas condições, transformando-o num centro vital de devoção mariana e de iniciativas apostólicas. Reabriu e dirigiu o Instituto de Pastoral (Convitto Ecclesiastico) para os jovens sacerdotes. Empenhou-se carinhosamente na formação espiritual, intelectual e pastoral deles.

 

Empreendeu a Causa de Canonização do seu tio José Cafasso. Restituiu grande vigor à casa de retiros espirituais da diocese no santuário de Santo Inácio, em Lanzo. Foi procurado para direção espiritual, confissão e conselho por inumeráveis pessoas de toda categoria social. Promoveu associações católicas para a formação cristã, deu grande apoio ao trabalho dos leigos empenhados no campo social, editorial e educativo.

 

Para enriquecer a sua Igreja com a nota essencial da missionariedade, em 1901 fundou o Instituto dos Missionários da Consolata e, em 1910, o das Missionárias da Consolata. A eles, embora continuasse os seus numerosos compromissos diocesanos, dedicou os principais cuidados, formando-os àquele espírito que ele sabia ter recebido de Deus.

 

Morreu santamente no dia 16 de fevereiro de 1926, em Turim, junto ao Santuário da Consolata. Foi beatificado pelo Papa João Paulo II, a 7 de outubro de 1990. A festa litúrgica do Bem-Aventurado José Allamano celebra-se no dia 16 de fevereiro.

 

Padre Albino Brás imc