Padre Júlio Caldeira em Portugal para falar do Sínodo da Amazónia
25/10/2019
Missionário da Consolata brasileiro a trabalhar na Amazónia Colombiana fez a cobertura do Sínodo da Amazónia para a Rede Eclesial Pan-Amazónica (REPAM) e vai estar em Portugal para dar o seu testemunho missionário e falar sobre o Sínodo

O padre e jornalista Júlio Caldeira vai estar em Portugal entre os dias 29 de outubro e 2 de novembro. Vindo de Roma, onde fez cobertura para a REPAM sobre o Sínodo da Amazónia, vai ter uma agenda bastante preenchida com conferências e palestras em universidades, escolas, paróquias, comunidades, além de entrevista a alguns meios de comunicação social.

Logo no dia 29, pelas 18h, a Universidade Lusófona acolhe a primeira conferência do padre Júlio. Com o título "Perspetivas Sinodais do Diálogo com os Povos Amazónicos", e com moderação de Luís Larcher, esta palestra vai ter lugar no Auditório José Araújo (biblioteca). O evento está aberto não apenas aos estudantes desta instituição académica, mas também a quem queira participar.

No dia seguinte, 30 de outubro, ainda em Lisboa, o padre Júlio desloca-se à Paróquia do Parque das Nações, onde fará uma palestra e testemunho a partir do tema "O Sínodo para a Amazónia e a Missão". O encontro, aberto ao público, tem inicio marcado para as 21h30 e vai decorrer na Sala Mãe de Deus do Centro Pastoral.

No dia 31, pelas 14h00, é a vez do Colégio Pedro Arrupe, em Lisboa, promover um encontro com o padre Júlio e alunos do secundário desta instituição de ensino.

Nesse mesmo dia, mas já a norte do pais, Caldeira fará pelas 21h00, a conferência: "Um olhar sobre a Amazónia". Vai ser no Centro Missionário Allamano, dos Missionários da Consolata, em Águas Santas, Maia.

Perfil
O padre Júlio Caldeira, 39 anos, é natural de Paraíba do Sul, no Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Entrou para os Missionários da Consolata já como vocação adulta; foi ordenado padre no dia 18 de agosto de 2012. Vive há 9 anos entre a Colômbia, Equador e Peru, trabalhando em territórios e com temáticas amazónicos e indígenas.

Como missionário, trabalhou em Sucumbíos, no Equador, acompanhando os povos indígenas kichwas, shuar y cofán desse território. Atualmente vive em Bogotá, onde é diretor da Revista Dimensión Misionera (Colômbia) e membro da equipe de coordenação das comunicações da REPAM.

Mestre em Comunicação e Mudança Social, participou da cobertura de imprensa do Sínodo para a Amazônia, realizado do 6 ao 27 de outubro, no Vaticano, e das atividades do evento simultâneo chamado: “Amazónia: Casa Comum”.

Albino Brás

 

Cartaz da conferência na Universidade Lusófona

Cartaz da conferência na Paróquia do Parque das Nações

Cartaz da conferência no Centro Missionário Allamano