Encontro Europeu de superiores de comunidade
29/10/2018
De 23 a 26 de outubro realizou-se em Turim, na Casa Mãe dos Missionários da Consolata, o primeiro encontro europeu de superiores de comunidade

De 23 a 26 de outubro realizou-se em Turim, na Casa Mãe dos Missionários da Consolata (IMC), o primeiro encontro europeu de superiores de comunidade. A este local, onde repousa o padre Fundador, chegaram 33 missionários, superiores de comunidade, vindos da Itália, Espanha, Portugal e Polónia. A reunião foi preparada e orientada pelo Conselho Continental Europa, constituído pelos Superiores Regionais de Itália e Portugal, padre Michelangelo Piovano e padre Eugénio Butti, e o superior da delegação Espanha, padre José Luis Pereyra, coordenados pelo Conselheiro da Direcção Geral para a Europa, padre Antonio Rovelli.

É a primeira vez na história que se realiza este encontro de superiores de comunidade e o motivo é a criação, já próxima, da nova Região Europa que iniciará a sua vida em 2019.

A reunião teve duas linhas de orientação: uma de natureza formativa, no contexto da formação permanente; e outra de natureza organizacional, tratando das questões práticas relativas à fusão das actuais regiões e delegação numa única Região da Europa.

Os relatórios apresentados na primeira parte ajudaram os participantes a reflectir sobre a natureza da comunidade local e o papel do superior local. Padre Giuseppe Ronco fez uma apresentação sobre Jesus, o Bom Pastor, recheada de referências aos documentos bíblicos, patrísticos e da igreja. Tais conteúdos, unidos à competência e clareza do orador, ajudaram todos a assimilar os traços característicos do bom pastor apresentados por João no capítulo 10 do seu Evangelho.

A irmã Tiziana Merletti, Franciscana da Família dos pobres, no seu comentário ao documento da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada, Vinho novo em Odres novos, usou um ponto de vista específico, partindo da comunidade local. Interagindo com os superiores presentes, ela levou-nos a evidenciar as luzes e sombras das nossas comunidades, ou seja, a distinguir melhor o vinho novo do velho que caracteriza a vida das nossas comunidades. A partir deste exercício passou-se então, para a necessidade de preparar odres novos que possam conter o vinho bom, isto é, preparar as estruturas que possam responder melhor aos desafios actuais da missão no nosso continente.

A concluir este ciclo de conferências formativas foi o padre Pedro Louro, Secretário Geral IMC, que, baseando-se no Código de Direito Canónico e nas Constituições IMC, apresentou as questões legais que dizem respeito ao superior de comunidade, recordando principalmente o valor da Paternitas, característico do cargo de Superior na vida religiosa, valor que se exprime em saber acompanhar os confrades e tornar-se próximo deles.

A segunda parte do encontro envolveu os participantes numa reflexão sobre as linhas operativas que darão vida, no próximo ano, à nova Região Europa, tendo como base um texto preparado por uma comissão anterior formada pelo Conselho Continental, os ecónomos regionais e três representantes das Circunscrições actuais. A minuta foi trabalhada em grupos seguida de uma partilha em assembleia. Todas as contribuições de reflexão, esclarecimento ou alteração melhorarão o texto final que será apresentado pelo Conselho Continental à Direcção Geral para aprovação em Março de 2019.

Os momentos litúrgicos vividos junto ao túmulo do fundador e a concelebração eucarística no Santuário da Consolata, que contou também com a presença das Missionárias da Consolata, criaram um espírito que animou todo o encontro e que deverá animar o nascimento da nova região. Significativas foram as palavras que o Reitor do Santuário da Consolata nos dirigiu ao final da Eucaristia:

«É com alegria que vos saúdo, missionários e missionárias da Consolata, reunidos nestes dias para debater questões relativas à vida e ao trabalho das vossas respectivas famílias religiosas.
É muito bom e expressivo encontrar-vos, nesta casa de Maria, onde para vós tudo começou com a intuição e o trabalho do Beato José Allamano, ao lado de quem não podemos deixar de ver o Giacomo Camisassa.

Como actual reitor do Santuário (sou o décimo sucessor do Beato), eu gostaria de ser eco do Allamano lembrando-vos, neste lugar santo, aquela característica absolutamente indispensável e constantemente solicitada e destacada aos Missionários e Missionárias: a vossa santificação.

Ele dizia: "Eis o meu principal pensamento, a minha constante preocupação. Eis o nosso ideal: tornarmo-nos santos, grandes santos, depressa santos. Tendes o compromisso de vos esforçar decisiva e constantemente para a santidade. Enquanto missionários e missionárias, é vos proposto o ideal de ser não apenas santos, mas santos de modo superlativo: é este o primeiro meio de apostolado. Procurai então que tudo, incluindo as vossas faltas e as dos outros, seja para o vosso bem. Cada um deve tornar-se santo, mas é necessário que haja uma mútua colaboração. Devemos desejar a nossa santidade, mas também a dos outros: as almas são salvas pela santidade. O milagre que espero de vós é o de fazer tudo com perfeição, desde o levantar ao deitar: extraordinários no ordinário. O missionário e a missionária sejam e apresentem-se como santos e comuniquem com o povo pela santidade de vida".

Permiti, pois, que mais uma vez vos questione com as palavras do Beato Allamano: «Tendes todos firme vontade de vos oferecerdes ao Senhor, para que vos forme segundo o seu Coração, para serdes um dia Santos Missionários e Missionárias da Consolata?». As Irmãs já viram a Beata Irene e a Beata mártir Leonella florescer entre elas. Quando veremos o primeiro beato dos missionários?

Peço a Maria, especialmente por vós, mas não só, que esta elementar questão do vosso Fundador possa encontrar uma resposta unânime e totalmente afirmativa e peço também a todos os fiéis aqui presentes esta tarde, para vos acompanharem com as suas orações.

Obrigado pelo vosso trabalho missionário.»

Estamos gratos ao Senhor por estes dias de encontro vividos em clima de fraternidade. De facto, todos estamos convencidos que o nascimento da futura região, assim como as estruturas e as diferentes formas de governo a ela associadas, são apenas ferramentas que nos ajudarão a viver melhor a missão de cada um de nós. O êxito do nascimento da nova Região ocorrerá apenas na medida em que vivermos relações fraternas entre nós na própria comunidade e com as demais comunidades imc, naquilo que nos une: a vocação missionária e o chamamento a servir aqui e agora a missão no continente Europa.

Isto foi o que desejamos uns aos outros antes de partirmos de volta às nossas comunidades, e é também o que esperamos para todos os nossos confrades das nossas comunidades da Europa que calorosamente saudamos.

Luca Bovio IMC