Liturgia do 32º Domingo Comum - Ano A
12/11/2017
Lâmpadas sem azeite

Sab 6, 12-16; 1Tes 4, 13-18; Mt 25, 1-13

Os últimos domingos do tempo litúrgico trazem-nos um forte convite à vigilância. Na parábola deste Domingo S. Mateus pede que nos preparemos para o encontro com o Senhor das nossas vidas, mantendo sempre as nossas lâmpadas acesas, isto é, vivendo com intensidade o momento presente. Cada um de nós, tal como essas dez donzelas do Evangelho, é convidado para a festa das bodas, onde o esposo é o próprio Jesus. Temos uma vida inteira para preparar as lâmpadas para a viagem. O azeite é ele mesmo que no-lo dá durante a nossa existência. Trata-se de caminhar na fé e na caridade, iluminados e nutridos pela sua palavra. Tenho azeite que baste para chegar a essa festa? É tempo de espera e de preparação. Não posso adormecer pelo caminho.

A imagem da lâmpada foi muito usada por Jesus para exprimir a necessidade de nunca deixarmos apagar dentro de nós a luz da fé. Mandou que a alimentássemos diariamente com o azeite das boas obras, porque só elas falarão. "Brilhe assim a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem o vosso Pai, que está nos céus". E S. João acrescentará: “Meus filhinhos, não amemos com palavras nem com a boca, mas com obras e com verdade”.É significativo que este convite de Jesus se encontre no capítulo 25 de S. Mateus. É o mesmo capítulo dos talentos que devemos fazer frutificar e do nosso encontro final com Jesus, quando seremos julgados pelo amor concreto que pusemos em todas as coisas. É esse o azeite que Deus nos pede: as obras do amor.

Arder para nós e brilhar para os outros. Se Jesus é a luz do mundo, o discípulo é uma lâmpada portadora dessa luz para iluminar todos os homens até aos confins da terra. Uma luz, que foi recebida no nosso baptismo e que não se pode ocultar. Ninguém se pode eximir dessa grande responsabilidade diante do mundo. Se o mundo não acredita é também porque a lâmpada da minha fé não ilumina suficientemente. Falta-lhe o azeite da oração, as obras do amor e o fogo da missão. Só uma Igreja que for lâmpada acesa na luz de Cristo ressuscitado poderá iluminar o nosso mundo. A lâmpada não se preocupa de iluminar. Simplesmente arde, e ardendo ilumina e ajuda as pessoas a verem o que nas suas vidas está desarrumado. Com a luz, desfazem-se as trevas em que tanta gente vive.

Que a minha lâmpada não se apague. Que a minha vida espiritual se reavive e a minha fé seja capaz de iluminar. “Vela com o coração, diz-nos S. Agostinho, vela com a fé, com a caridade, com as obras; prepara as lâmpadas, cuida de que não se apaguem, alimenta-as com o azeite interior de uma recta consciência; permanece unido ao Esposo pelo Amor, para que Ele te introduza na sala do banquete, onde a tua lâmpada nunca se extinguirá”. Ele é na verdade a Luz perene, que nunca se apaga. Que ela já hoje se manifeste em mim e afugente as trevas que porventura nos dominem.

Darci Vilarinho