Liturgia do 22º Domingo Comum – Ano A
03/09/2017
Não vos conformeis com este mundo”

Jer 20, 7-9; Rom 12, 1-2; Mt 16, 21-27

O Evangelho deste domingo coloca frente a frente dois modos de pensar, o dos homens e o de Deus. A lógica dos homens aposta no poder, no domínio, no triunfo, no êxito. Garante-nos que a vida só tem sentido se tivermos dinheiro em abundância, se formos reconhecidos, aplaudidos e incensados pelas multidões, se frequentarmos as festas da alta sociedade… A lógica de Deus aposta na entrega da vida a Deus e aos irmãos e garante-nos que a vida só faz sentido se assumirmos os valores do Reino e vivermos no amor, na partilha, no serviço e na solidariedade.

É no Evangelho, eco da Palavra de Deus, que eu posso encontrar o seu pensamento, as suas linhas de orientação e a luz que ilumina o meu caminho. Mas é mais fácil alinhar pelo pensamento dos homens. São Paulo alertou-nos para isso quando pedia aos cristãos de Roma: “Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos, pela renovação espiritual da vossa mente, para saberdes discernir, segundo a vontade de Deus, o que é bom, o que Lhe é agradável, o que é perfeito.”

O Evangelho deste domingo traz uma aplicação concreta do pensamento autêntico de Deus, tão diverso da mentalidade do mundo, quando se refere ao sentido da vida e ao modo de a construirmos e realizarmos: “Quem quiser salvar a sua vida há de perdê-la; mas quem perder a sua vida por minha causa, há de encontrá-la”. Foi assim que viveu Jesus e tantas pessoas ao longo da história: passaram do egoísmo ao dom de si mesmos, da mediocridade ao empenho, do desperdício ao pleno desenvolvimento dos próprios talentos. Perceberam onde estava a mentalidade de Deus, tão oposta á mentalidade deste mundo.

Um outro modo de verificar o pensamento de Deus é saber medir-se com a eternidade. É saber passar dos horizontes mesquinhos deste mundo aos horizontes infinitos da vida eterna. Pergunta-nos Jesus: “Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua vida?” O que é mais importante para mim? A realidade passageira deste mundo ou a realidade de uma vida eterna feliz? O que é preciso é viver as realidades deste mundo de acordo com o projeto que Deus tem para cada um de nós e para a sociedade em geral.
Para isso é necessário saber manter uma distância crítica em relação aos esquemas do mundo e aos valores sobre os quais este mundo se constrói. É necessário optar por uma mudança de coração, de mentalidade e de inteligência, que nos possibilite discernir qual é a vontade de Deus, a fim de poder percorrer, com fidelidade, os seus caminhos.

“O cristão é alguém que não pactua com um mundo que se constrói à margem ou contra os valores de Deus. O cristão não pode pactuar com a violência como meio para resolver os problemas, nem com a lógica materialista do sucesso a qualquer custo, nem com as leis do neoliberalismo que deixam atrás uma multidão de vencidos e de sofredores, nem com as exigências de uma globalização que favorece alguns privilegiados, mas aumenta as bolsas de miséria e de exclusão, nem com a forma de organização de uma sociedade que condena à solidão os velhos e os doentes…”.
O pensamento de Deus não vai por aqui. E o meu por onde vai?

Darci Vilarinho